Carta Circular

Gilberto e Eneida Celeti

servindo ao Senhor junto à

APEC – Aliança Pró Evangelização das Crianças

Caixa Postal 20244 – São Paulo – SP – CEP 04035-99

E-mail Gilberto: gilceleti@gmail.com

E-mail Eneida: eneidarangelceleti@gmail.com

É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem.

São Paulo, 10 de agosto de 2007.

Amigos queridos, estimados cooperadores,

Andar é um verbo com múltiplos significados: (1) movimentar-se, mover-se; (2) continuar, seguir, prosseguir; (3) passar; (4) trabalhar, funcionar; (5) proceder, agir, portar-se; (6) ser transportado, viajar; (7) existir, viver; e muitos outros mais.

Na Palavra de Deus lemos que só há dois caminhos para se andar: o da vida, do bem e da luz ou o da morte, do mal e das trevas. “Há caminho, que parece direito ao homem, mas afinal são caminhos de morte” (Pv 16:25) e “Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes o seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite. Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido” (Sl 1:1-3).

O cristão deve andar de maneira digna, em amor, na luz, em sabedoria, cheio do Espírito e com a Armadura de Deus, em todas as áreas de sua vida, pelo fato de ter sido escolhido por Deus e redimido pela pessoa e obra de Cristo e estar selado pelo Espírito Santo (um breve resumo de Efésios).

Ir a todos os cantos deste planeta para testemunhar de Jesus é cumprir a Grande Comissão por Ele deixada. Andar junto com a Aliança Pró Evangelização das Crianças tem sido um grande privilégio. Você sabia que há trabalho da APEC em 157 países do mundo. É uma bênção poder fazer parte desta tão importante obra, “pois, não é da vontade de vosso Pai celeste que pereça um só destes pequeninos” (Mt 18:14).

FUI

Neste 1 Semestre de 2007 FUI para vários bairros e cidades aqui no Brasil, FUI para o Uruguai e FUI para Moçambique. Para mais informações acesse o blog: http://gilbertoceleti janela4x14.blogspot.com Para ver fotos acesse o: http://picasaweb.google.com/gilceleti. Estamos também no Orkut. Pode entrar.

Em Moçambique, de maio a julho, andei ao lado de 16 alunos do 1º Instituto de Liderança da APEC, em português, na África. Investir em suas vidas, equipá-los com bom ensino e materiais didáticos foi motivo de alegria indizível.

Não FUI sozinho. Que bênção terem ido mais 15 obreiros para períodos mais curtos de tempo, mas que atuaram como professores e investiram suas vidas neste treinamento. Todos juntos levamos mais de uma tonelada de literatura para distribuir não só com os alunos mas também com mas de 100 igrejas que participaram de projetos especiais.Alguns foram juntos com as suas orações, outros além das orações encaminharam suas ofertas (sem as quais não poderíamos ir).

ESTOU

ESTOU grato ao Senhor pela bênção que foi a Operação Moçambique e pelo alcance de crianças nas Províncias de Sofala, Maputo e Gaza, num total de 14.563, das quais 7.375 receberam a Cristo como seu Salvador. ESTOU grato também pelos 428 professores treinados, representando 109 igrejas e pelos 140 Kits de literatura que foram doados para o trabalho entre as crianças. ESTOU grato pelos 16 alunos formados no Instituto de Liderança e pelo fato de que 15 deles entraram como obreiros de tempo integral. QUE GRANDE BÊNÇÃO!

Assim que cheguei de Moçambique tivemos uma semana em Mairiporã com a realização do Retiro Anual dos obreiros. ESTOU ainda impactado com o tema do Retiro: “Eu quero servir a Jesus”, com as mensagens, com as discussões e planos estabelecidos, com a preciosa comunhão e com o renovar das forças para continuar o trabalho.

ESTOU agora aguardando o dia para me submeter a uma cirurgia do menisco no joelho esquerdo e enquanto isto trabalhando na Sede Nacional da APEC nas questões que envolvem a direção do trabalho em todas as áreas.

ESTOU preocupado com o fato de muitos dos nossos missionários não terem ainda o sustento necessário para o desenvolvimento do seu trabalho. Precisamos de mais cooperadores fiéis ofertando mensalmente para o sustento dos obreiros e do trabalho. Gostaríamos de ver os mais jovens envolvidos na contribuição financeira.

ESTOU preocupado também com o fato de que a seara é grande e os trabalhadores são poucos. Precisamos de apoio para trazer candidatos ao ministério, financiando para muitos deles uma bolsa de estudo para os três meses do Instituto de Liderança para o Ministério com Crianças que acontecerá nos meses de janeiro a março de 2008.

ESTOU preocupado também com o sustento dos novos obreiros da APEC em Moçambique e Angola. Eles têm muita dificuldade em levantar as ofertas em seus países. Aqui do Brasil, irmãos e igrejas poderão adotá-los, pelo menos durante 1 ano, comprometendo-se com R$ 300,00 (trezentos reais) mensais, mais ou menos o equivalente a US$ 150,00 (cento e cinqüenta dólares).

ESTOU escrevendo esta carta em oração, para que o Senhor incline o seu coração a investir na evangelização das crianças.

IREI

O segundo semestre de 2007 tem muitos caminhos a serem percorridos:

IREI para trabalhos especiais no México, Estados Unidos e Panamá.

IREI para simpósios regionais nas cidades de Fortaleza, Campo Grande, Manaus, São Luís, Teresina e Salvador.

IREI para Aracaju onde o trabalho da APEC deverá ser aberto a partir do próximo ano.

IREI para inúmeros compromissos que exigirão sempre deslocamentos para todo lado e necessito muito das suas orações:

1) sabedoria para acertar todos os detalhes organizacionais e logísticos, e ministrar as mensagens;

2) proteção nas viagens, saúde e cuidado de Deus para a família que fica;

3) suprimento financeiro mensal e também para as viagens;

4) resultados que glorifiquem o nome do Senhor: novos obreiros para o trabalho, mais igrejas despertadas e milhares de crianças salvas.

5) percepção clara da vontade de Deus para mim e para minha esposa e filhos, para que se cumpra o que está escrito em Isaías 30:21 – “Quando te desviares para a direita e quando te desviares para a esquerda, os teus ouvidos ouvirão atrás de ti uma palavra, dizendo: Este é o caminho, andai por ele”.

IREI, mas a sua cooperação é de grande importância.

Agradeço antecipadamente suas ofertas e orações.

    Gilberto e Eneida Celeti

2007 – ANDEMOS COM O SENHOR NA EVANGELIZAÇÃO DAS CRIANÇAS

Despedida do Liderança

O local “A Volta à Bíblia” em Bilene

Por três meses nossa casa se tornou

E agora, na saída, bem solene,

Cada um de Deus vitória alcançou

Moçambique com coragem e sem medo,

Deu João, Augusto, Victor e Alfredo,

Flora, Anselmo, Fátima e Angelino,

Alexandre, Miquitaio e Natalino.

De Angola veio gente valorosa:

Abel Norton, o Isaac e a Cecília

Tem ainda a Maria esperançosa

E a Evalina que completa a família.

Este foi só o Primeiro Instituto

Para formação de obreiros consagrados

No final de todo esforço há bom fruto

E o Senhor é quem será glorificado.

Foi assim realizado o Liderança

Um Projeto da APEC do Brasil

O que vale é alcançar toda criança

Retirando-a do inimigo tão hostil

E trazendo-as das trevas para a luz

Levaremos cada uma pra Jesus!

E V A L I N A

A N S E L M O

A N G E L I N O

J O Ã O

A L F R E D O

I S A A C

JESUS

M A R I A

F L O R A

C E C I L I A

N A T A L I N O

F A T I M A

A B E L N O R TO N

V I C T O R

M I Q U I T A I O

A U G U S T O

A L E X A N D R E

Quanto ao mais, irmãos, adeus!

aperfeiçoai-vos, consolai-vos,

sede do mesmo parecer, vivei em paz;

e o Deus de amor e de paz

estará convosco”.

(2 Coríntios 13:11)

Gilberto Celeti

E-mail: gilceleti@gmail.com

Busca do Sobrenatural

A busca pelo sobrenatural

Uma das marcas de nossa época é a tendência que se tem para tudo o que é misterioso, sobrenatural, místico e esotérico. Há uma busca por temas considerados “espirituais”, tais como: visões esotéricas, êxtases fascinantes, maravilhas, sinais, meditações transcendentais, contatos com seres angelicais, contatos com seres extraterrestres, experiências paranormais, percepções divinas, revelações especiais, desenvolvimento intuitivo, etc.

O grande interesse por religião e a facilidade dos meios de comunicação permitem um intercâmbio cada vez maior de práticas religiosas entre os povos. Por meio da televisão, do rádio, dos jornais, das revistas, da Internet, são divulgados os mais variados cultos e tradições religiosas de todas as partes do mundo.

O sincretismo e o proselitismo são muito fortes, e muitos grupos lançam suas redes para conseguir o maior número de adeptos. No afã de crescer e de fazer um “nome” é comum a prática de uma ou mais formas de “espiritualidade mística”. Parece que há uma busca de algo que funcione, que dê certo e que promova uma determinada “experiência”.

O fato é que não existe o mínimo interesse com a VERDADE. Até porque, quem é que aceita hoje os absolutos de Deus e de Sua Palavra? O que passa a existir é uma série imensa de “verdades”, cada uma delas “boa” no seu próprio contexto, onde o importante é ter uma experiência religiosa, não importa onde, nem como.

Os grupos que mais crescem são os que se afastam da verdade da Palavra de Deus. Quando o desejo é crescer e ter poder, certos líderes gostam de ser reconhecidos como seres especiais, que têm uma intimidade com Deus superior aos demais, que têm uma força na oração inigualável, que têm capacidade de identificar doenças e ministrar a cura, que têm habilidade no lidar com os demônios, que têm a capacidade de ministrar a libertação, cura, perdão e prosperidade, que se apresentam, enfim, como seres quase sobrenaturais e que chegam a ser idolatrados pelos seus fiéis. Esta auréola de “espiritualidade” impressiona e atrai as multidões.

Toda essa tendência para o que é místico e sobrenatural causa forte impacto nas crianças! Esses pequeninos são “alimentados” com brinquedos, livros, jogos e filmes em que o ocultismo, nas suas dimensões de magia, de advinhação e de espiritismo, se interliga ao cotidiano para os influenciar e causar uma verdadeira lavagem cerebral.

Opções de Lazer permeadas de ocultismo

Nas férias de janeiro e de julho, qual o divertimento de suas crianças?

Olhe as propostas oferecidas por certos acampamentos para crianças, onde o tema é exatamente o misticismo, a magia, a busca de um “alto astral”. É surpreendente como os pais enviam seus filhos para este tipo de programação.

Veja os filmes que estão em exibição nos cinemas. Quase que, sem exceção, os enredos têm a ver com o sobrenatural e o esóterico.

E se a criança ficar em casa vendo televisão, ou brincando com os videogames. Não há escapatória. Parece que há um acordo bem elaborado para que de alguma maneira as crianças sejam alcançadas com alguma forma de misticismo.

E os jogos de RPG? Trata-se de jogos de personificação, com cartas, ou de tabuleiro, ou mesmo jogados no computador, alguns até baixados via Internet, onde o jogador escolhe um personagem que irá representar e precisa adotar aquela personalidade, com o modo de pensar, o carisma, a força, etc. Estes jogos dão mais vantagens aos personagens que praticam mais maldades. Certos pontos só se obtêm quando se lança mão de feitiçarias, de magias. É surpreendente que um joguinho leve a criança a se familiarizar com o universo do mal e todos os seus personagens. Há diversos casos de crianças e adolescentes que ficam possuídos pelos demônios. Alguns, sem distinguir a realidade da fantasia, acabam praticando crimes horríveis.

E os livros? Um fenômeno é o grande interesse despertado nas crianças pela leitura dos livros da escritora J. K. Rowling. As crianças devoram com avidez, livros com mais de 500 páginas, onde instruções sobre feitiçaria são passadas. Por que este fascínio pela história de um menino inexpressivo, infeliz e insatisfeito que, ao descobrir a bruxaria, encontra a alegria e a razão para viver?

Esta é uma época de apostasia

Que nome dar para uma época como esta? Nova era? Misticismo? Neo-esoterismo? O fato é que, em todos os níveis da sociedade, se observa uma real sedução como que preparando toda a humanidade para participar de uma religião mundial, onde o filho da perdição há de ser adorado, aquele que “se opõe e se levanta contra tudo que se chama Deus ou é objeto de culto, a ponto de assentar-se no santuário de Deus, ostentando-se como se fosse o próprio Deus (2 Tessalonicenses 2:4).

Arrisco dar um nome para esta época: a época da apostasia. Esta época foi devidamente anunciada na Palavra de Deus: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios” (1 Timóteo 4:1). A Bíblia deixa também bem claro que a volta de Cristo será antecedida por uma época de apostasia. Esta época é um dos sinais também da volta do Senhor Jesus: “Ninguém, de nenhum modo, vos engane, porque isto não acontecerá (a volta de Cristo) sem que primeiro venha a apostasia e seja revelado o homem da iniqüidade, o filho da perdição” (2 Tessalonicenses 2:3).

O que marca este tempo de apostasia? O fato de estar em curso uma chamada “operação do erro”, mandada por Deus, e que atrai a todos que não acolheram o amor da verdade para serem salvos, vindo estes, então, a dar crédito à mentira. Todo este período que antecede o aparecimento do iníquo, é marcado por poder, e sinais, e prodígios da mentira, mas que causam impacto por serem segundo a eficácia de Satanás. Leia o texto completo em 2 Tessalonicenses 2:7-12.

O que fazer numa época de apostasia como esta?

1) Ter amor à verdade.

A Palavra de Deus, a Bíblia, precisa ser amada, meditada, estudada, vivida e pregada. Todos hoje querem apenas ouvir mensagens confortadoras, que produzam alegria, bem estar, satisfação, uma sensação agradável, um senso de triunfo, algo sensacional. Muitas vezes se usa a Bíblia apenas para estimular a auto-estima e dar um bem-estar psicológico.

Como é raro ouvir a Palavra de Deus sendo fielmente anunciada, agindo como aquela espada de dois gumes, conforme Hebreus 4:12,13, que penetra no mais íntimo do ser para mostrar o erro, o pecado, o engano, levando ao arrependimento e à mudança que Deus espera.

Só a Palavra de Deus consegue expor com clareza aquilo que o homem é, não deixando nada encoberto. Só a Bíblia aponta o mal e a sua raiz. As mensagens não pautadas pela Bíblia acobertam o pecado. As mensagens bíblicas o expõem. A Bíblia é um espelho que mostra o defeito, mas também tem o poder de corrigi-lo e de purificar o coração.

É preciso acolher a Palavra, que vai produzindo uma transformação no íntimo. É escondendo a Palavra no coração que podemos ter vitória sobre o pecado. Se há algo que as crianças de hoje precisam, com urgência, é de um ensino bíblico sério e profundo. Elas precisam de pais, professores e pastores com visão e responsabilidade, que saibam transmitir-lhes lições bíblicas, que os levem a memorizar versículos e a serem vitoriosos diante dos erros religiosos que assolam nossa época.

2) Batalhar diligentemente pela verdade.

Numa época de apostasia, infestada de falsos mestres e falsos ensinos, que comprometem a mensagem bíblica, é preciso reagir como um soldado. A Bíblia está sendo atacada e “a fé que uma vez por todas foi entregue aos santos” (Judas 1:3), isto é, toda a doutrina que está colocada nas escrituras sagradas, está sendo alvo de difamação e de distorção. Isto não pode ficar assim. Precisamos batalhar, quais soldados, para manter a sã doutrina.

Há que se denunciar os erros e os enganos. Há de se desmascarar aqueles que se introduzem no meio dos cristãos, com dissimulação e fingimento. Pessoas que acabam transformando a graça de Deus em libertinagem e que são chamados por Judas em sua pequenina carta de “sonhadores alucinados” (Judas 8).

Vamos ensinar nossas crianças a serem bons soldados de Cristo. Que elas conheçam também todas as peças que compoem a Armadura de Deus, e que possam estar firmes para repelir os enganos da época atual.Veja a lição especial publicada pela APEC®: A Nova Era e a Bíblia, que mostra seis idéias de nossa época de misticismo que querem penetrar na mente de nossas crianças e como elas devem dizer Não!

Quer uma amostra de algumas verdades que precisamos ensinar as nossas crianças e pelas quais elas precisam aprender a batalhar?

1) A Bíblia é a Palavra de Deus. Nela Ele se revela aos homens. Ela é Autoridade sobre nossas vidas.

Os falsos mestres não crêem na Bíblia, citam-na fora do contexto, colocam outros escritos com autoridade superior aos da Bíblia

Precisamos ajudar a criança a colocar a Bíblia num lugar central em sua vida. É importante que ela conheça os fatos gerais sobre a ordem dos livros na Bíblia e que memorize o máximo de versículos que for possível.

2) Deus é uma Pessoa. Ele é o Criador e tudo o que existe. Ele domina sobre tudo e sobre todos. Ele é Espírito, Eterno, Santo, Justo e Amor. Ele é o Deus Triúno: Pai, Filho e Espírito Santo.

Os falsos mestres sempre falarão de Deus como uma força ou energia impessoal, ou que Deus é tudo e tudo é Deus. No fundo está a idéia que todos são deuses.

Precisamos ajudar a criança a conhecer cada um dos atributos de Deus. Isto deve ser uma prioridade no trabalho com crianças.

3) Jesus Cristo é o Filho de Deus. O Deus encarnado, Perfeito, Sem pecado, que revelado em forma humana entregou sua vida para ser o Senhor e Salvador de todos os que nEle crêem. Ele é o único caminho para o Pai e a vida eterna.

Os falsos mestres negam que Jesus Cristo seja Deus. Para eles é apenas um dos vários mestres de religião e que toda pessoa é filho de Deus.

Precisamos ajudar a criança a ver a singularidade da Pessoa de Cristo, a se alegrar com o grande milagre da Encarnação, com a Sua vida diferente revelando ser o Filho Perfeito de Deus e Sua maravilhosa salvação feita na Cruz, deixando depois o túmulo vazio e voltando para o Pai, na ascensão.

4) O Espírito Santo é uma Pessoa que convence o mundo do pecado e atrai os incrédulos para a fé salvadora. Ele é quem habita, orienta e capacita os salvos.

Os falsos mestres ensinam que o Espírito Santo é apenas uma influência, ou então que existem muitos espíritos que podem se tornar guias das pessoas que os buscam.

Precisamos ajudar a criança a descobrir que o Espírito Santo é uma Pessoa Divina em contraste com os falsos espíritos que estão atuando no mundo.

5) O Homem foi criado à imagem e semelhança de Deus. Por causa da desobediência de Adão e Eva, todos nascem com uma natureza pecaminosa e por isso pecam.

Os falsos mestres negam a existência do pecado, consideram o homem como possuidor de uma natureza boa que precisa ser desenvolvida, tendo como que um deus dentro de si.

Precisamos ajudar a criança a compreender que embora o homem tenha sido criado sem pecado, ele decidiu pecar, desobedecendo a Deus.

6) O Pecado separa o homem de Deus. O que o pecado merece é a morte.

Os falsos mestres afirmam não existir o pecado e nem juízo final. Enfatizam que o único problema é a ignorância do homem, sendo que o mesmo pode ir melhorando através de sucessivas vidas (reencarnação).

Precisamos ajudar a criança e ver que o pecado é real, é contra Deus e tem de ser castigado com a morte. Deus odeia o pecado.

7) A Salvação é um dom gratuito de Deus, quando a pessoa crê em Cristo, recebendo-O como seu Salvador. A Bíblia chama este ato de novo nascimento.

Os falsos mestres mostram que através de boas realizações o homem pode conseguir a sua salvação, bastando que se esforce em ser bondoso.

Precisamos ensinar a criança que não há absolutamente nada que alguém possa fazer para merecer a salvação. Ela vem como um presente de Deus para todo aquele que crê.

8) A mente pode ser controlada pelo Espírito Santo que ajuda o novo nascido a conhecer melhor a Palavra de Deus, a orar e a ser mais semelhante a Cristo.

Os falsos mestres orientam para que a pessoa fique com a mente vazia para que seja penetrada e controlada por poderes superiores, que são, na verdade, espíritos demoníacos.

Precisamos ensinar a criança a nunca deixar a sua mente vazia, em hipótese alguma. Pelo contrário, a mantê-la sempre ocupada, especialmente no aprendizado da Palavra de Deus.

9) A vida com plena realização é possível através de Jesus, que concede vitórias aos que nEle confiam

Os falsos mestres ensinam que a chave do sucesso é a confiança em si mesmo. Eles fazem do “eu” um senhor que determina e que exige vitórias. Levam as pessoas a pensar que têm a força dentro de si.

Precisamos mostrar a criança que somente uma vida dedicada e consagrada a Deus pode ter vitórias e que confiar no Senhor permitindo que Ela viva através de nós, traz muitas alegrias e bênçãos.

Conclusão

O escritor Warren W. Wiersbe, na apresentação que faz da Bíblia de Recursos para o Ministério com Crianças, cuja edição em português foi feita pela Hagnos e APEC®, diz o seguinte: “Uma geração apenas, separa a igreja da extinção. Se não ganharmos crianças para Cristo e discipularmos as crianças salvas nas doutrinas bíblicas, o futuro da igreja e da civilização estará em jogo”.

O Futuro das Crianças

1. As crianças de hoje – que tipo de homens serão amanhã?

Como será o homem de amanhã?

Antes de olhar para o futuro e fazer conjecturas sobre como serão e como viverão os homens das próximas décadas, deveríamos olhar para o agora, e verificar como são e como vivem as crianças de hoje.

Hoje, infelizmente, está difícil olhar para as crianças e observar a inocência, a pureza, a ingenuidade, a beleza, o sorriso, as brincadeiras, as cantigas, a felicidade na escola, no lar e a própria esperança.

Hoje, milhões de crianças desamparadas nos colocam diante de um monstruoso quadro de dor, de lágrimas, de tristeza, de fome, de exploração, de abandono, de engano, de frustração, de miséria, de abuso sexual, de droga, de promiscuidade, de delinquência, de crime, de analfabetismo, de violência, de suicídio, de morte e de desesperança. Crianças perdidas!

Outras, embora de condição social bem elevada, são mantidas o dia todo fora de casa, em colégios e em aulas de música, de ginástica, de inglês, de judô, etc. Quando estão na rua, estão dentro de um automóvel e, quando em casa, estão diante de um computador.

Outras ainda, que raramente vêem seus pais pois ambos trabalham fora, passam a maior parte do tempo diante da televisão e se alimentam de espetáculos de violência, de intrigas, de cenas sexuais.

Diante deste quadro, perguntamos: “O que virá a ser, pois, este menino?” (Lucas 1:66).

Existem milhões de crianças sem Cristo. O que acontecerá amanhã com o menino de rua? Com o menino da vila? Com aquele que vive em condomínio fechado? Com aqueles cujos pais se separaram? Com o menino do asilo? Com o menino que está na Febem? Com as crianças que são deficientes? O que acontecerá com as crianças de países em conflito, cujas famílias desapareceram, e que estão em campos de refugiados ou procurando algo para comer no lixo? Ou com as crianças que estão sendo aliciadas para o tráfico de drogas e para a prostituição?

Que tipo de homens e mulheres serão estas crianças amanhã?

2. Os homens de hoje – como foram no tempo da infância?

Lionel Hunt, num livro publicado pela Moody Press, registrou uma pesquisa que demonstra de uma forma inequívoca, qual a melhor idade para a evangelização e a conversão:

Antes dos 4 anos – 1 %

Dos 4 aos 14 anos – 85 %

Dos 14 aos 30 anos – 10 %

Após 30 anos – 4 %

O fato é que as crianças são importantes para Deus. Elas têm uma alma imortal e uma vida inteira pela frente. Elas ouvem e atendem á mensagem do Evangelho mais prontamente do que qualquer outro grupo de pessoas.

Georg W. Truet, ao entrevistar 1.200 crentes, constatou que 96 % deles recebeu a Cristo antes dos 21 anos.

A Divisão de Pesquisa de Educação Cristã de uma grande editora evangélica entrevistou 1.417 professores de 116 igrejas e constatou que a grande maioria das decisões por Cristo ocorrem nas classes de crianças.

O fato é que se uma pessoa não receber a Cristo quando criança, dificilmente o fará na idade adulta.

Considerando que os crentes são a luz do mundo e o sal da terra, uma bênção para toda a sociedade, e que pelo menos 85 % deles se tornaram crentes antes dos 15 anos de idade, chegaremos a conclusão de que, se quisermos ter um mundo melhor amanhã, devemos evangelizar com mais intensidade e sabedoria as crianças de hoje.

Os homens incrédulos de hoje, em sua grande maioria, não ouviram falar de Cristo em sua infância.

Se olharmos para homens como Hitler, que levou à morte mais de 55 milhões de pessoas na Europa, Stalin, que levou à morte 30 milhões de pessoas na Rússia e Mao Tse-Tung, que levou 25 milhões de pessoas à morte na China e compararmos com Billy Grahan, por intermédio de quem milhões, em todo o mundo vieram a conhecer a salvação em Cristo, muito nos alegrará saber que a diferença é que Billy Graham, o maior evangelista de todos os tempos, recebeu a Cristo com seu Salvador quando ainda era bem criança.

A história teria sido muito diferente se Hitler, Stalin ou MaoTse-Tung tivessem sido levados a ter uma relação pessoal com Jesus Cristo na infância.

3. Evangelize hoje o homem de amanhã

Muitos líderes evangélicos têm afirmado que o evangelismo de crianças é frutífero:

D. L. Moody disse: “Eu creio que, se as crianças têm idade suficiente para vir à Escola Dominical, elas têm idade suficiente para vir ao Calvário. Vamos abrir nossas mentes e que Deus nos ajude a ganhar as crianças para Cristo.”

C. H. Spurgeon afirmou: “Geralmente tenho encontrado um conhecimento mais claro do Evangelho e um amor mais fervoroso a Cristo na criança convertida do que no adulto convertido. Elas não precisam abandonar a incredulidade e as noções erradas que impedem tantos de aceitar o Evangelho”. E ainda acrescentou: “Uma criança de cinco anos, devidamente instruída, pode verdadeiramente crer e ser regenerada tanto quanto um adulto.”

Pr. Arthur Gonçalves escreveu: “As maiores vítimas dos males da nossa sociedade estão sendo as crianças. É das crianças que vêm os mais angustiantes apelos. Para construirmos um mundo melhor, concentremos nossos esforços nas crianças. Para expandirmos o reino de Deus, demos prioridade à evangelização das crianças.”

Durante o 2º Congresso Nacional da APEC da Argentina, realizado em 1999, o Pr. Samuel Libert, um dos oradores, assim se expressou: “As crianças são as mensagens viventes que mandaremos para uma época futuro, na qual não estaremos.”

Que tipo de mensagens enviaremos para as décadas futuras?

Será que as crianças que alcançamos hoje para Cristo serão os homens que amanhã anunciarão o precioso Evangelho às futuras gerações?

Que mensagens vivas estamos enviando? Serão mensagens de ódio ou de amor? Da mentira ou da verdade? De pecado ou de santidade?

Evangelizemos já, o homem de amanhã!

4. Abrindo portas para a evangelização das crianças

Abra primeiro a porta do seu próprio coração. Por que seu coração é fechado para o ministério entre as crianças? Por que toda esta resistência à evangelização dos pequeninos? Por que toda esta indiferença quanto a maneira de influenciar uma criança, especialmente com a memorização das Escrituras?

Vamos abrir um espaço em nossa vida para alcançar as crianças para Cristo, sem barreiras e sem oposição.

Abra depois a porta de sua própria casa. Por que não abrir a porta do seu lar para que as crianças da sua vizinhança possam vir a ser instruídas pela Palavra de Deus?

Por que não abrir a porta do seu lar para a realização de um Clube Bíblico, uma Classe de Cinco Dias na época das férias? Ou uma Classe de Boas Novas, este ministério que tem um programa dinâmico que inclui cânticos, memorização de versículos, brincadeiras, história missionária e lição bíblicas, dando oportunidade para que as crianças recebam a Cristo e tenham o crescimento espiritual?

Abra também a porta de sua igreja. Por que não investir mais no treinamento dos professores e líderes do Departamento Infantil? No melhor material didático Na realização de múltiplos ministérios como EBFs, Campanhas, Encontros, etc.

Uma igreja de portas abertas para as crianças certamente irá crescer!

5. Depende de quem?

O menino, no alto do morro, numa das favelas do rio de Janeiro, ouviu a pergunta:

– O que você vai ser quando crescer?

A resposta foi dada com toda a tranquilidade:

– Bandido… ou missionário…

– O quê?! – exclamou admirado o adulto.

– Depende de quem me ganhar primeiro – completou rapidamente o garoto.

Realmente, depende de quem ganhá-lo primeiro!

É urgente e prioritário alcançar as crianças com a mensagem do Evangelho. Não há tempo a perder. Se negligenciarmos a evangelização das crianças, uma geração inteira se perderá. Depende de cada um de nós.

Alcancemos as crianças com a Palavra de Deus. Evangelizemos hoje o homem de amanhã! Lembremos das palavras do Senhor Jesus Cristo: “Assim, pois, não é da vontade de vosso Pai celeste que um só destes pequeninos se perca.” (Mateus 18:14)

Vamos abrir a porta dos nossos corações. Vamos abrir a porta das nossas casas. Vamos abrir a porta das nossas igrejas. Vamos juntos ABRIR A PORTA ÀS CRIANÇAS.

O futuro de nossas cidades está nas mãos das crianças, mas o futuro destas crianças está nas nossas mãos.

Violência e a Criança

Crianças Vítimas de Agressão

A violência contra a criança é algo terrível que acontece na vizinhança, no Brasil e no mundo todo. O que significa esta agressão? Como entender as razões para isto? É tempo de refletir sobre este assunto.

Esta agressão contra as crianças tem várias faces: física, moral, psicológica, social, econômica, e também espiritual. Esta agressão, ao contrário do que muitos dizem, não atinge apenas as classes mais baixas da sociedade, pelo contrário, ela está presente em todas as camadas sociais.

Tipos de agressão

O tema da agressão contra as crianças não é novo. Ao longo de toda a história da humanidade o que se observa é o desrespeito para com as crianças, a falta de valorização e o fato das crianças serem vítimas:

  • De agressões corporais severas.

  • De exploração de sua mão de obra barata em trabalhos forçados.

  • De abusos sexuais (violação, incesto, sodomia, conduta libidinosa ou lasciva, a qual inclui maneiras erradas de falar ou tocar).

  • De abusos verbais (gritar excessivamente, censurar severamente, ridicularizar e atacar verbal e intencionalmente a criança).

Infância Bendita – Criança Maldita

Há uma tendência de se olhar para a infância de uma maneira “romântica”, cheia de poesia. Quem não se lembra dos versos: “Oh! Que saudades que eu tenho, da aurora da minha vida, da minha infância querida, que os anos não trazem mais…”

A infância, que é explorada pela mídia em seus comerciais, também é muito “bonitinha”, alegre, legal e divertida. Mas, e a criança individualmente. Será que ao chegar a fase adulta tem mesmo saudades ou gostaria de nunca ter vivido naquele ambiente de horror?

Uma criança no inferno

A Editora Prestígio Editorial publicou em 2006 o livro “Uma criança no Inferno – quando a violência está onde não deveria” de Dave Pelzer. Este livro é o relato de um dos casos mais graves de violência contra uma criança. É a história de Dave Pelzer, brutalmente espancado e maltratado por sua mãe, emocionalmente desequilibrada e alcoólatra, que inventava jogos torturantes que quase mataram seu filho. Dave teve de aprender a lidar com isso para sobreviver, pois, para sua mãe, ele deixara de ser um menino e passara a ser um “nada”. Dave não tinha ninguém a quem recorrer, mas seus sonhos de que alguém o amaria como filho mantiveram-no vivo.

Este livro precisa ser lido urgentemente, pois os casos de maus tratos contra a criança no Brasil são assustadores. A maioria dos pais que abusam dos seus filhos têm em comum o fato de também terem sido molestados e agredidos pelos seus pais. A violência contra a criança nos lares é muito grande. Os que estão próximos reagem ficando em silêncio e não denunciam a agressão.

O complô do silêncio

O Dr. Jefferson Drezett, médico do Hospital Pérola Byngton, em São Paulo, ao falar no VII Encontro Anual da Rede Nossas Crianças, da Fundação Abrinq, disse que o Hospital atende em média, por dia, de 10 a 12 pessoas, totalizando por volta de 12 mil em um ano.

Em sua maioria são crianças, às vezes bebes, adolescentes e jovens que sofrem violências dentro de suas próprias casas, como afogamento, espancamento, envenenamento, encarceramento, queimadura e abuso sexual praticadas por pessoas do núcleo familiar ou muito próximas a ele, como pais, padrastos, tios e companheiros.

As estatísticas apontam para cerca de 12 milhões de crianças, adolescentes e adultas, na sua grande maioria mulheres, que são vítimas de abusos por ano, no mundo. Só no Estado de São Paulo, são registrados anualmente 42 mil estupros.

A maioria dos casos não ocorre sob imposição de força bruta, mas mediante coerção ou grave ameaça. As conseqüências são dolorosas, tanto do ponto de vista dos traumatismos físicos, como das ocorrências de doenças sexualmente transmissíveis, como dos traumas psicológicos decorrentes dos traumas sofridos.

Lamentavelmente, mesmo sabendo e notando que uma criança está sofrendo, as pessoas ao redor permanecem em total silêncio e não denunciam a agressão. Este é um grave problema.

Se deixarmos de fazer o que precisamos para proteger a criança e o adolescente, que diferença teremos daqueles que as violentam?” (Jefferson Drezett).

A tragédia da violência

Segundo o Ministério da Saúde, a violência é a segunda principal causa de mortalidade no Brasil. Quando em todo o mundo se comemora, no dia 04 de junho, o Dia Internacional das Crianças Vítimas de Agressão os dados a seguir são desafiadores e refletem a situação sócio-econômica com o alto índice de desemprego e a má distribuição de renda:

  • Pobreza – Mais de um bilhão de pessoas no mundo vivem com menos de um dólar por dia. Outros 2.7 bilhões lutam para sobreviver com menos de dois dólares por dia.

  • Doença – Todos os anos, 11 milhões de crianças, a maioria com menos de cinco anos morrem devido a doenças como a malária, a diarréia e a pneumonia. Todos os dias a AIDS mata 6 mil pessoas e infecta outras 8.200. A cada 30 segundos, uma criança africana morre por causa da malária, o que significa mais de 1 milhão de crianças mortas por ano.

  • Fome – Mais de 800 milhões de pessoas vão se deitar todas as noites com fome; dentre elas, 300 milhões são crianças. Todos os anos, 6 milhões de crianças morrem de má nutrição. A cada 3,6 segundos, uma pessoa morre de fome; em sua grande maioria crianças com menos de cinco anos.

  • Água – Mais de 2.6 bilhões de pessoas, o que representa 40% da população mundial, carecem de saneamento básico e mais de 1 bilhão usa fontes de água impróprias para o consumo. Quatro em cada dez pessoas no mundo carecem de acesso a uma simples latrina.

  • Trabalho infantil – Cerca de 2.2 milhões de crianças brasileiras, entre 5 e 14 anos de idade trabalha no setor agrícola. Na Ásia, a situação é grave, pois 61% das crianças trabalham. Na África, em cada cinco crianças, duas trabalham.

  • Estatística Cruel – Dados da Sociedade Internacional de Prevenção ao Abuso e Negligência na Infância apontam que 12% das 55.6 milhões de crianças brasileiras menores de 14 anos são vítimas, anualmente, de alguma forma de violência. Por ano, são 6.6 milhões de crianças agredidas, o que corresponde à média de 18 mil crianças atacadas por dia, 750 por hora ou 12 crianças agredidas por minuto. Enquanto você está lendo este artigo há muitas crianças sendo agredidas, talvez até bem pertinho de você.

O que fazer?

Fale a favor daqueles que não podem se defender. Proteja os direitos de todos os desamparados. Fale por eles e seja um juiz justo. Proteja os direitos dos pobres e dos necessitados” (Provérbios 31:8,9),

A reflexão sobre a violência contra a criança e o adolescente que se encaixa, basicamente, em quatro categorias: abusos físicos, abusos sexuais, abusos psicológicos e negligências, exigem que se leve a sério e que se obedeça ao conselho que está registrado no texto bíblico acima.

As crianças estão indefesas, desamparadas e necessitadas. É urgente falar a favor delas. Proteger os seus direitos. Zelar pelas crianças não é uma tarefa exclusiva dos pais, mas também dos parentes, da comunidade, dos profissionais de saúde, dos líderes eclesiásticos, dos educadores, dos governantes, enfim, da sociedade como um todo.

Para dar suporte ao pleno desenvolvimento da criança e estimular as políticas de proteção ao menor, a Organização das Nações Unidas (ONU), divulgou em 1959 a Declaração dos Direitos da Criança, que tem sido referendada por muitos países, inclusive pelo Brasil, a saber:

Você conhece quais são estes direitos?

Declaração dos direitos da Criança

  1. As crianças devem ser protegidas, para se desenvolverem num lugar onde tenham liberdade e respeito.

  2. Toda criança tem o direito de ter um nome e de pertencer a um país.

  3. Toda criança tem direito a uma boa alimentação, moradia, diversão e assistência médica.

  4. As crianças com problemas físicos, mentais ou sociais devem receber cuidados especiais.

  5. As crianças precisam de amor e compreensão. Por isso devem ficar com os pais ou num lugar em que recebam carinho e segurança. A sociedade ou autoridade pública tem o dever de ajudar as crianças sem família e as famílias pobres.

  6. Toda criança tem o direito de receber educação, que deverá ser gratuita e obrigatória. Na escola, as oportunidades devem ser iguais para todas. As crianças devem ter todas as oportunidades de brincar, se divertir e ser importantes para a sociedade.

  7. As crianças devem ser os primeiros a receber socorros.

  8. As crianças devem ser protegidas contra o abandono, a crueldade e a exploração. Não se deve em caso algum permitir que elas tenham uma ocupação que prejudique sua saúde ou seu desenvolvimento físico, mental ou moral.

  9. Nenhuma criança pode ser menosprezada por sua raça, cor, religião, etc.

  10. A Criança deve ser educada em ambiente de compreensão, amizade e paz, para que
    ofereça sua energia e seu talento a serviço de seus semelhantes.

Como tudo seria diferente se esses direitos fossem respeitados e cumpridos pelos pais, responsáveis, autoridades públicas e, enfim, por todos os responsáveis pela formação da criança. A violência e as agressões não existiriam e muito menos seriam classificadas por categorias.

A situação das crianças em nossa pátria nos sensibiliza. Que fazer? Como ajudar? A solução estaria nas resoluções políticas? Na boa vontade da sociedade? O fato que precisamos encarar com seriedade é que todas as injustiças, avarezas, loucuras, demandas, adultérios, corrupções, enganos, homicídios, etc., procedem de dentro do homem. Veja com atenção as palavras de Jesus em Marcos 7:21-23.

O Problema do Pecado

Sociedades corrompidas e apodrecidas já floresceram e desapareceram, como as da época de Noé, de Ló, do império grego, romano, etc. A sociedade de nossos dias, infelizmente, se tornou tão degradante como a daquelas e as injustiças sociais são tantas, que é impossível não reconhecê-las.

Numa época como esta é necessário reconhecer também a gritante necessidade espiritual dos homens, inclusive das crianças e dos adolescentes.

Se a criança tiver bons pais, boa cama, boa alimentação, boa escola, e tudo estiver bem, ainda assim será infeliz e com um vazio dentro de si. Realização completa e vida real, sem medo, com amor e com esperança, só são possíveis através de Jesus Cristo. Vida eterna e abundante, com plena satisfação, só em Cristo!

Temos de ganhar as crianças para Jesus Cristo o quanto antes e dar-lhes condições de crescerem na graça e no conhecimento do Salvador.

O problema do pecado só pode ser resolvido pela eficácia que há no sangue do Cordeiro. Anunciemos o evangelho às crianças: “Cristo morreu pelos nossos pecados, como está escrito nas Escrituras Sagradas; ele foi sepultado e, no terceiro dia. foi ressuscitado, como está escrito nas Escrituras” (1 Coríntios 15:3 e 4). Alcancemos as crianças com a genuína Palavra de Deus.

O Evangelho = Boas Novas da Salvação

Em vários períodos da história, quando a imoralidade, a desgraça, os vícios e a corrupção campeavam assustadoramente, foi a pregação do Evangelho que trouxe alento e varreu as sujeiras morais e as violências, levantando até mesmo a situação econômica da população.

Precisamos, mais do que nunca, sair às ruas e anunciar o evangelho de Cristo a todas as camadas da sociedade. Temos que alcançar todas as crianças da classe alta, média e baixa, indistintamente.

Precisamos encontrar estratégias para um trabalho abrangente com as crianças, conhecendo-as na sua totalidade, bem como na sua realidade e ajudando-as a se tornarem filhos de Deus e também a atingirem o máximo de suas potencialidades, sendo uma bênção para a glória de Deus.

Precisamos aproveitar as oportunidades e participar também em toda e qualquer atividade que possa trazer melhoria à condição das crianças e adolescentes de nossas cidades.

Município por município deste imenso Brasil

Ah! Se em cada município brasileiro estivesse em ação o Conselho Tutelar e neste Conselho homens e mulheres que conhecem o Senhor e o Salvador Jesus!

Ah! Se em cada município os cidadãos do reino de Deus se levantassem em favor das crianças, levantando a sua voz para defendê-las, atendendo ao sábio conselho: “Abre a boca a favor do mudo, pelo direito de todos os que se acham desamparados. Abre a boca, julga retamente e faze justiça aos pobres e aos necessitados” (Provérbios 31:8,9).

Ah! Se em cada município os crentes em Cristo saíssem das quatro paredes de suas igrejas à procura das crianças perdidas, sejam ricas, sejam pobres, pois, como disse Jesus: “não é da vontade do Pai Celestial que pereça um só destes pequeninos” (Mateus 18:14).

Num município marcado pela violência “como são bonitos os pés daqueles que pregam o Evangelho da paz com Deus, e trazem notícias alegres de coisas boas. Em outras palavras, como são bem-vindos aqueles que vêm pregando a Boa Nova de Deus!” (Romanos 10:15 – Bíblia Viva).

Ganhando as crianças do próprio município para Cristo

Você pode organizar em sua cidade ou no seu bairro:

  1. Núcleos de Oração pelas crianças.

  2. Grupos para distribuição de folhetos às crianças.

  3. Turmas da Bíblia, evangelizando e discipulando as crianças através de Cursos por Correspondência.

  4. Equipe para realizar festas de aniversário com programas evangelísticos.

  5. Equipe para realizar Clubes Bíblicos em lares cristãos alcançando as crianças da vizinhança destes lares. A APEC chama estes Clubes de Classes de Boas Novas. Um programa com uma hora de duração num dos dias da semana.

  6. Equipe para alcançar as crianças nas ruas, nas favelas, nos condomínios e prédios fechados, nas creches, nas escolas, nos hospitais, etc.

  7. Equipe para realizar Ministérios nas Igrejas: (a) EBF – Escola Bíblica de Férias; (b) Campanha Evangelística; (c) Reuniões Dominicais; etc.

É hora de sair do comodismo e do conforto, descruzar os braços, arregaçar as mangas da camisa, e movidos de amor ao Senhor Jesus, sair com alegria e entusiasmo ao encontro das crianças.

“Amas-me?” É a pergunta de Jesus.

“Sim, Senhor, tu sabes que te amo”. É a resposta do discípulo.

“Apascenta os meus cordeiros”. É a ordem de Jesus!

Mutirão para levar as Boas Novas da Salvação às Crianças

Aliança Pró Evangelização das Crianças é uma organização missionária internacional que se dedica a anunciar o evangelho a criança sem distinção de raça, cor e condição social. A visão da APEC é evangelizar crianças, discipulá-las e integrá-las numa igreja reconhecidamente evangélica.

Una-se a APEC em favor das crianças de seu município. Preencha o formulário abaixo e envie-o para APEC – Setor de Desenvolvimento. Caixa Postal 20244. São Paulo – SP – CEP 04035-990. Endereço eletrônico: desenvolvimento@apec.com.br.

Eu, _________________________________________________________________________,

( ) creio que toda criança do meu município precisa ter os seus direitos respeitados e defendidos e precisa da minha voz e da minha ação a seu favor.

( ) creio que, mais do que qualquer outra coisa, toda criança do meu município precisa conhecer a mensagem do evangelho, quem é o Senhor Jesus Cristo, o que Ele fez e recebê-lO como seu Salvador Pessoal.

( ) comprometo-me, portanto, a:

( ) Orar pelas crianças

( ) Comunicar o evangelho às crianças

( ) Discipular as crianças

( ) Levar as crianças a memorizarem versículos

( ) Envolver as crianças no serviço de Deus

( ) Integrar as crianças na Igreja

( ) Levar a criança a depender, em tudo, do Senhor

( ) preciso de maiores informações sobre:

( ) Participação no Conselho Tutelar

( ) Organização de Núcleos de Oração em favor das crianças

( ) Organização de Turmas da Bíblia

( ) Organização de Classes de Boas Novas nos lares

( ) Ensino da Bíblia nas Escolas

( ) _______________________________________________________________________

Endereço: __________________________________________________________________________

Município: ______________________________________________________________Estado: _____

E-mail: _________________________________Data do Nascimento: _____________ Sexo: _______

Igreja a qual pertence: ________________________________________________________________